segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Religiões sem Fé

Muito se fala ou se critica sobre a Igreja Católica, vamos tentar analisar e mostrar a realidade sobre alguns fatos, claro que quando se trata de religião, nosso intimo sempre se rebela, mas vamos nos ligar a apenas fatos reais, sem qualquer pendência, seja católica ou não

O Igreja católica foi de fato formada no século III d.c. e suas diretrizes foram definidas no Conclicio de Nicéia, e organizado pelo Imperador Romano Constantino.(saiba mais em As origens da Bíblia)

O grande problema real foi a participação e influencia que o Império Romano exerceu sobre a nova religião, já a grande virtude teria sido a preservação do cristianismo, já que graças a Constantino, os cristãos pararam de ser perseguidos.
 Com o Conclicio, diretrizes com relação ao cristianismo foram definidas, mais tarde a própria Bíblia foi definida, a Bíblia como conhecemos foi organizada e editada pela Igreja católica, baseando-se exclusivamente em suas crenças, e pra uso exclusivo de suas Igrejas.

 Mais tarde, por volta do Sec XIV, houve a chamada "reforma protestante" liderada por Martim Lutero, que foi um padre católico e um tradutor da Bíblia em latim para a língua germânica. Lutero era um padre, e não aceitava algumas praticas comuns na Igreja Católica, entre elas a compra de indulgências(pagamento em dinheiro para o perdão dos pecados), que foi o estopim que acendeu seu ódio por Roma.

 Com a morte de Lutero, seus ideais foram nitidamente transfigurados, e a força política que uma nova religião oferecia foi abraçada pela corôa Germânica, que em muito pouco tempo, adotou a nova religião como sua, repetindo o que aconteceu com os Romanos(com uma nova religião e de fácil aceitação do povo, a Germânia se livraria das obrigações que devia a Roma).

 O grande problema dos protestantes, e por conseqüência TODAS as religiões que baseiam exclusivamente na Bíblia como forma de religião, é que o instrumento, ou seja a própria Bíblia é ROMANA, organizada e publicada por CATÓLICOS, se foram eles que a criaram, apenas eles teriam autoridade sobre a obra.

 Se minha religião adota como principio básico a Bíblia, eu estou adotando os princípios CATÓLICOS, por mais que se tente ser contra, uma coisa esta estritamente ligada a outra.

 Os textos bíblicos ou a fé cristã, estes sim são de toda a humanidade, porém a Bíblia é exclusiva dos católicos. Crer na Bíblia em sua totalidade é crer no que os católicos sempre divulgaram, isso é mais que óbvio, porém todas as religiões "modernas" relevam isso, e colocam a bíblia acima de tudo, e não os textos ou a fé no cristianismo.

 Apenas para registrar, no mundo muçulmano Jesus é um de seus profetas, e o argumento maior de Maomé é de que ele veio ao mundo para reparar as interpretações erradas que fizeram sobre Jesus, ou seja, os próprios muçulmanos são cristãos!

 Lutero nunca criticou a totalidade, e sim alguns pontos da igreja, ele era contra principalmente a indulgência vendida pela igreja e era a favor do casamento dos sacerdotes, outro ponto levantado por Lutero seria de que a salvação se deveria ao reconhecimento de Jesus como o messias e salvador, e não a bíblia como o instrumento para tal. Algo totalmente diferente do que se vê nas novas religiões, que pregam que a bíblia é o caminho, uma forma de vida a ser seguida, e algumas (mais difundidas no Brasil) cobram pelas indulgências assim como os católicos no sec XIV, claro que tudo é direcionado, mas se tirar-mos a fé e olhar exclusivamente para os fatos, veremos que é exatamente igual, essas novas igrejas evangélicas são exatamente iguais a Igreja católica no auge de sua luxúria, em meio a sua inquisição!

 Os kardesistas por exemplo, tem como livro principal ou leitura religiosa um evangelho que foi direcionado aos crentes no espiritismo(O evangelho segundo o espiritismo), praticamente toda a bíblia foi literalmente transcrita e adaptada para que fizesse sentido a essa religião, que é lógico, criou muita polêmica, porém, eles seguem algo que é de fato DELES, é exclusivo dos kardecistas, apenas eles acreditam em suas escrituras, portanto, são legítimos, afinal acreditam em algo que é proveniente deles mesmos, assim como os católicos acreditam em SUA Bíblia. Você aceitar ou não o livro deles, é o mesmo que aceitar a religião deles, ou você aceita, ou simplesmente não aceita, é tudo simples e transparente, eles não seguem a bíblia como conhecemos, portanto não devem explicações de como eles a interpretam, eles não seguem a bíblia em sí, portanto não podem ser questionados por sua crença na bíblia, quanto ao cristianismo, eles são Cristãos, acreditam em Cristo que é universal, e não no que se limita a um livro, você pode até não concordar, mas tem muito mais fundamento do que seguir um livro que não te pertence e apenas criticar ao invés de tentar consertar.

 Apenas descaracterizar alguns textos bíblicos para influenciar, seria caracterizado simplesmente por roubo, que foi exatamente o que aconteceu com as novas religiões evangélicas, eles simplesmente tomam posse e criticam a Igreja por base na bíblia que não pertence a eles.

 Criticar a igreja católica pela sua forma de interpretar a bíblia é errado, pois eles foram seus
idealizadores, a forma correta de protestar seria se ela fosse completamente reeditada e reescrita (o que causaria muito descrédito, como os kardecistas) e ai sim estruturada uma nova religião, e não simplesmente criticar o que ja foi definido a 1700 anos.

 Sabemos que existem muitos outros textos cristãos que não estão na Bíblia, pois para Roma não interessava que tais textos fossem divulgados, uma nova interpretação da Bíblia, com TODOS os textos conhecidos que foram descobertos, seriam sim uma base sólida para um cristianismo moderno, e não exclusivamente uma interpretação diferente do que já foi escrito a muito tempo!

 Não estamos aqui pra defender os católicos, eles por si mesmo ia trataram de se condenar, e muito mesmo apenas criticar as novas igrejas cristas, apenas queremos mostrar que para ser cristão, e livre dos católicos, o caminho não é este, não o que vemos por ai, e sim uma nova reflexão, um novo ponto de vista, uma reestruturação real, e não ler apenas trechos favoráveis, ignorando a totalidade.

 O principio básico que sempre determinou os católicos como a base da fé crista é o seguinte:

Mateus 16:
18- Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do hades não prevalecerão contra ela;  
19- dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares, pois, na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus.  

 Com esta afirmação, Jesus teria dado a Pedro plenos poderes de edificar sobre ele (Pedro significaria Rocha) as bases do cristianismo, e talvez maior que isso, lhe dado as chaves dos céus, teria dado a Pedro o poder de escolher a quem no céu entraria. Nem é preciso dizer que por mais bíblica que seja a interpretação, não se pode negar o que esta na própria bíblia, que de fato acaba com qualquer tipo de argumento(Pedro é primeiro papa católico).

 Outro fato na linha "apenas para constar" os Novos Cristãos dizem que em grego Petro significaria pedrinha, e não a rocha em questão que seria o próprio Jesus, porém em aramaico (língua falada por Jesus) não existe tal diferenciação e sim palavras diferentes, outra questão seria que Jesus não daria a Pedro o nome feminino de Pedra (em português faz sentido pois é baseado no latim), eu jamais iria chamar um sucessor masculino de Pedra (no feminino) e sim de Pedro (já no masculino) pra não deixar que se pudesse denegrir a imagem seja do meu apóstolo ou do meu sucessor. Pedra ou Petra seria rocha, ja Pedro ou Petro seria pedrinha, vemos que é coerente, Jesus não chamaria Pedro de Pedra, ele com certeza manteria o Pedro, sempre Pedro(discussão levantada por o evangelho em questão estar escrito em grego, caso fosse em aramaico, tal duvida nunca teria sido levantada).

 Já que vimos que os novos cristãos devem rever seus ideais, vamos ver também um pouco dos cristão fora do cristianismo como os muçulmanos por exemplo.

 Maomé fundou o islamismo cerca de 60, 80 anos após o Império Romano adotar o cristianismo como religião oficial do Império, o cristianismo era extremamente forte no oriente(região de Maomé), e fraco no ocidente (onde roma de fato dominava, e se estabeleceu a igreja católica), esses cristãos tinham uma base relativamente forte, até que Maomé apareceu e deu nova visão sobre essas crenças, e afirmou que Jesus não havia morrido na cruz (algo realmente possível, mesmo que não comprovado, saiba mais em: Quem foi Jesus) e que os romanos haviam alterado totalmente a história (também possível, mesmo que não comprovado), ele se proclamava um profeta descendente de Davi e que seria o ultimo, e que veio para concertar a história distorcida de Jesus (fácil de fazer devido ao pouco tempo de oficialização da religião).

 Maomé dizia que tudo o que foi lhe passado foi passado diretamente por Alah por intermédio do Arcanjo Gabriel (o mesmo que deu a noticia da gravidez de Maria), que Jesus seria o soldado do Jihad (o armagedom muçulmano) que voltaria mais uma vez a terra para unificar a igreja em uma única religião através de sua espada.

 Honestamente, em pesquisas iniciais, realmente vemos que existe muita coerência em tudo isso, principalmente por ser muito fácil acreditar que os romanos distorceram a história, porém a vinda de Jesus como um guerreiro, e a mesma visão no catolicismo no apocalipse ao que parece esta distorcida em ambas as crenças, para justificar, vamos recorrer a religião que originou tudo isso, os judeus, eles não acreditam que Jesus teria sido o Messias por Jesus não ter libertado o povo Judeu dos Romanos e por não ter constituído o estado Judeu que seria referente a eles serem o povo escolhido(alguns historiadores acreditam que a condenação de Jesus pelos judeus seria para o incitar a levantar a espada e lutar), se Jesus realmente não levantou sua espada quando esteve aqui, ao contrario, promoveu o amor incondicional ao seu semelhante, devemos acreditar que tal pessoa não voltaria com uma espada, poderia sim um outro elemento ligado a uma justiça divina, porém não em forma de um guerreiro que lutaria com usa espada por um novo governo ou o extermínio de qualquer outro tipo de religião(ao que parece, tal possibilidade seria mesquinha demais para uma personalidade como a de Jesus).

 Além do mais, Maomé definiu de forma errônea a vida de Maria, dizendo que a procria teria sido filha de outra virgem, algo não relatado na bíblia. Além de que o Alcorão nunca é levado em consideração por sua veracidade histórica, por de fato errar grotescamente dados históricos comprovados, o mesmo não ocorre com o Torá Judaico ou a Bíblia Cristã, além de ser comprovado historicamente a existência de um deus pagão de nome Alah antes da fé crista se estabelecer no oriente(o que facilitaria a conversão para o islã tanto de pagãos como de cristãos).

 Por outro lado, existem evidencias de que jesus não morreu na cruz, e que seu corpo esta enterrado em uma cidade do oriente médio, o corpo lá presente seria de um profeta muçulmano, provavelmente o Jesus muçulmano, por se tratar de um tema muito complexo, trataremos dele no futuro.

 O fato é que em todas as religiões existe homens com interesses regionais ou políticos, e essas influencias mais que comprovadamente influenciam nas diretrizes da religião, nossa base em cima do cristianismo, mais que comprovadamente é falha (pra não dizer falsa), muitos fatos são conflitantes, em momentos divergem entre eles mesmos, uma fé verdadeira esta muito longe de ser alcançada, seja pelo pragmatismo antigo, seja por interesses políticos ou puramente princípios culturais, nossa religião, de fato não possui fé alguma que seja no mínimo coerente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO:
Lembre-se que você é o responsavel pelos seus comentários.
Não permitimos:
Ofensas ou discriminação de qualquer tipo.
Comentários que o assunto não seja relacionado ao tema proposto.
Caso infrinja algum do critérios, poderá ter seu comentário excluído sem aviso prévio.